domingo, 2 de maio de 2010

Exercícios, um martírio dos gordinhos!

Praticar atividades físicas é muito importante tanto para nos deixar saudáveis como também ocupados por um bom período de tempo. Primeiro o tempo que se gasta negando a necessidade de sacudir o esqueleto, os músculos e tudo mais; segundo, o tempo para decidirmos qual atividade se encaixa mais em nosso estilo de vida, no tempo disponível, no que o corpo permite e o coração aguenta, e no que pareçamos menos ridículos; Terceiro, fazendo-o propriamente dito - e feito(ainda que gastemos menos tempo nesta parte); e por último, descansando e reclamando das dores inevitáveis e intermináveis. Aí vemos que jogador de futebol não tá sempre de frescura quando falam que vai desfalcar o time em jogo importante em função de fortes dores musculares. A diferença é que eles ganham pra isso, e alguns muito bem, por sinal.
Mas é para os gordinhos sedentários que todos esses tempos se parecem intermináveis. Palavra de quem conhece do assunto.
Tendo eu jogado vôlei quando adolescente e magro, e quando não se precisava ter altura suficiente para trocar uma lâmpada no teto sem escada, só com cuidado pra não bater com a cabeça no lustre, tentei repetir no meio-master. Dica importante: deixe os esportes da adolescência só para os bate-papos com os amigos reencontrados dos tempos de infância. Na verdade, seu corpo e sua mente trabalham em tempos distintos e esportes coletivos só na lembrança, pois o corpo virou a página e de lado. Agora só quer caminha.
Musculação está fora dos planos, senão do gordinho, dos demais praticantes, pois não dá para praticar e rir ao mesmo tempo, e minha dose de palhaço já gasto quase toda quando vou votar!
Correr... ah! Correr! Já viram um gordinho correndo? Não? Claro que viram. Aquilo não era apresentação terrestre de baleias amestradas. Era um grupo de gordinhos exaustos depois de longos cem metros de Cooper. Nós corremos em grupo só de lipoinflados porque não passamos dos dois quilômetros por hora, e ninguém aguenta correr tão devagar para nos acompanhar. E as dores no lado da barriga? E aquela seqüência de puxadas de ar como se o oxigênio estivesse em fuga desgovernada? Esteira? É tombo na certa dois minutos depois de iniciado, na velocidade mínima, quando o mundo escurece e só clareia no posto de saúde mais próximo com o aparelho de pressão no braço e aquele círculo de parentes preocupados com o tio gordinho que levou um tombo da esteira após virar os olhinhos e despencar como jaca mole madura.
Sobrou andar ou se arriscar àquela ridícula situação de entrar para a hidroginástica e tomar um banho de energia dos velhinhos colegas de turma.
Viva a caminhada! Viva o gordinho caminhante feliz - e mesmo assim exausto!

sábado, 13 de março de 2010

Chocolate!!!

Colesterol!
Presente por escrito em quase toda embalagem de produtos inócuos para o sabor acompanhado de valores percentuais próximos ou iguais a zero, este senhor estraga-prazeres agora também se faz presente em quase todas as minhas receitas médicas, direta ou indiretamente. E o pior, freqüenta pessoalmente todas as barras de chocolate das quais não gosto de me separar por muito tempo, entendendo-se muito tempo por aproximadamente 24 horas.
Chocólatra assumido, do tipo que, na falta de outro jeito, sou capaz de colocar achocolatado como acompanhamento até de salada verde, fiquei transtornado! Sem pizza, eu aguento, carne vermelha, também, mas algum cacau processado ia ter que rolar. Comecei a pastar ao invés de comer, perdi a preguiça de preparar fruta para comer, sou figurinha fácil no hortifruti perto de casa e até amor eterno ao queijo minas eu jurei. Pão, só daquele cheio de comida de passarinho, tipo linhaça, girassol, aveia. Tentei barrinha de chocolate com alto percentual de cacau, mas não era igual. Parti para as barras de cereal light com chocolate acompanhando aquele monte de semente de periquito, mas não é igual.
Minha esposa, minha fiscal do colesterol, que por amor tem me mantido fiel a abstinência às delícias gastronômicas da páscoa, está muito contente com minha força de vontade. Nota dez pra mim. Tenho até ganho o direito de tomar de manhã um nescauzinho ralinho com leite em pó desnatado pra tentar despistar minha mente das lojas americanas da vida, com aquelas prateleiras enormes, cheinhas de maravilhosas e coloridas embalagens recheadas de veneno com sabor de... chocolate!!! Xô colesterol. Viva o chocolate!!!

Apresentação

Permitam-me não me apresentar!!!